31 de dez de 2014

Circuito Peruíbe de Pedestrianismo 2014 - 2015

Fala galeraaaa!

Circuito de Pedestrianismo de Peruíbe 2014 - 2015

Segue meu relato (desabafo):

Neste Domingo (21/12) participei da 3ª Etapa do “Circuito de Pedestrianismo de Peruíbe”, a prova foi realizada na Praia de Bougainville, sendo disputada nas distâncias de 1 km e 3 km (crianças) 5 km e 10 km (adultos).

Diferente do que publiquei anteriormente aqui no blog (primeira e segunda etapa), a terceira etapa foi um verdadeiro vexame em questão de organização.

Nós atletas pagamos inscrições (muitas vezes, valores até altos), viajamos por horas, deixamos a família de lado... E temos que exigir mais respeito por parte das organizações.

Nesta prova, a organização demonstrou um total despreparo... Foi um dia em que nada deu certo, e com isso demonstrou total amadorismo (diante da minha percepção); o que venho percebendo de uma forma geral é que as organizações nunca têm o “plano B” e com isso acabam passando vergonha diante de seus clientes (atletas) gerando um “Marketing Negativo”.

Anteciparam a largada para as 08h30, acredito que devido ao forte calor do verão, e isso tinha tudo pra ser um ponto positivo, mas virou negativo por questões técnicas e a largada teve um atraso de uma hora! “Como assim um pequeno atraso?!” A largada aconteceu às 09h45min... Vi crianças passando mal pelo calor, e nós perguntamos: “Cadê a ambulância?!”. Ouvi da organização que estava a caminho... Dessa forma a largada das crianças nem deveria ter acontecido. O pórtico só foi montado depois da largada dos adultos, deixando a cara do evento bem rústico (com apenas grades). Faltou também um Cronômetro, e dada a largada só tinha água até o 5º km, depois disso acabou a água; com um calor de quase 40 graus Peruíbe parecia o “Deserto do Saara”... Para ser ter uma ideia, meu pace caiu de 3’50 para 4’10... (sem contar a vontade absurda de desistir) com o calor sufocante e sem água; na minha opinião poderia faltar tudo, menos água no percurso. Desta forma fiz minha pior marca no semestre com 40’ minutos nos 10 km.

Após o termino da prova, também houve confusão e atraso na apuração dos resultados... A premiação demorou mais de 3 horas, pensei por diversas vezes em ir embora e retirar meu troféu numa outra oportunidade, mas respeito e penso nos meus adversários (pois é muito ruim subir num pódio faltando pessoas) #ficaadica.

Bom resumindo, saí de Peruíbe por volta das 14 horas da tarde, e extremamente decepcionado com a organização.

17 de dez de 2014

Circuito das Praias 2014 - Etapa Bertioga

O encerramento do Circuito das Praias 2014 teve disputas acirradas, e um clima pra lá de louco. Sim galera... chuva, calor, céu nublado, sol e muito mais em apenas 10 km.

No último Domingo (14/12) aconteceu em Bertioga, litoral de São Paulo, a 6ª e última etapa do “Circuito das Praias 2014”. Prova realizada nas proximidades do Forte São João, e sendo disputada nas categorias de 5 km e 10 km, com 1 e 2 voltas no percurso respectivamente.

Percurso diversificado variando em 2,5 km na areia e 2,5 km no asfalto. Assim posso resumir mais uma etapa do circuito: Eu e a Gaby chegamos cedo em Bertioga, com direito a uma bela pausa pro café da manhã na Padaria “4 Ases”, situada na Avenida principal da Cidade. A retirada do kit (com numeral/camiseta/chip) foi tranquila, sem contar com aquela passadinha bem básica no banheiro... rs.

Apenas sete pontos me distanciavam da liderança do “Ranking 2014...”.Meu grande amigo, e também adversário Rogerson Nenê marcou presença, logo meu objetivo era: ficar em qualquer posição na frente dele (para ser campeão), mas isso não seria uma tarefa nada fácil, afinal o cara está correndo muito, e eu continuo sem treinos há semanas, mas graças a Deus a faculdade está concluída.

Desta forma procurei ficar próximo, para quem sabe no final arriscar ir pra cima kkkk, triste ilusão, nos dois primeiros quilômetros eu já tinha perdido o cara de vista... Isso com paces de 3’50 e 3’45. Próximo ao retorno da primeira volta (2,5km) bateu o cansaço, com um calor sufocante; no posto de água peguei um copo, mas percebi que o amigo Clayton (4 corredores) passa pelo posto e o copo cai no chão, então bebi um pouco e ofereci metade (já senti na própria pele, e sei o quanto é importante esse tipo de ajuda). Assim levamos o ritmo forte até a primeira volta; Percurso de duas voltas iguais sempre dá uma vontade de desistir... Quando passei pelo pórtico de chegada percebi que a grande maioria dos atletas estavam nos 5 km, e minha segunda volta no percurso foi praticamente sozinho. Sem vento algum, percebo algumas gotas de chuva “ufa, agora vai melhorar”... Que nada, parece que até piorou o clima, deixando-o ainda mais abafado. Muitos atletas experientes acabaram quebrando literalmente na prova, e outros passando muito mal... Pensei: “se eu conseguir pelo menos manter o ritmo, já está ótimo!”. Mais a frente, o grande amigo Márcio (Diadema) foi quem ditou o ritmo, tentei manter o mesmo pace, mas no finalzinho um cara apertou bem próximo de mim (nunca se sabe quando é da sua categoria)... fui pra cima com tudo terminando num sprint fortíssimo, e fechando na 10º Colocação Geral e me tornando oficialmente “Vice Campeão na categoria 25-29 anos”.

Apesar de não ter conseguido o tão sonhado Bi-Campeonato (título já conquistado em 2012) fiquei muito feliz pelos resultados, pois foi um ano inexplicável de muitas conquistas dentro e fora das corridas. Campeão de quase tudo, sem falar do grande sonho que era a concluir da faculdade #obrigadoSENHOR.

Pra galera que me acompanha através do blog, muito obrigado pelo carinho, agora sigo para Peruíbe onde encerro meu ano de competições.

Abraços e até Domingo que vem!

Circuito Saúde de Corrida Rústica - Mogi das Cruzes

No último Sábado (06/12) participei da 2ª Etapa do Circuito Saúde, organizado pela Associação Paulista de Esporte de Ação e Aventura “APEAA”. A prova foi realizada na Cidade de Mogi das Cruzes, interior de São Paulo... Sendo disputada em diversas categorias: Corrida Rústica 5 km (Masculino/Feminino), Caminhada 3 km e Passeio Ciclístico.

Pelos resultados obtidos nos últimos eventos, me considero um “amador com sorte” sem regularidade nos treinos, contando com a faculdade na reta final; pra dar uma simples noção, entre os dias 01 a 05 de Dezembro não realizei um treino sequer e fui para a competição com a consciência de que com qualquer lugar no pódio eu estaria no lucro.

Inscrição gratuita (menos mal), eu e a Gaby fomos para Mogi das Cruzes por volta das 11h00min, à viagem foi tranqüila e chegamos às 13h30min (sem almoçar), comecei a procurar um local para refeição... Mesmo sem muitas opções pela estrada, encontrei uma padoca que oferecia desde lanches até um Buffet completíssimo, self-service, e agora?! Na dúvida optamos pela comida, com saladas e coisas leves, mas a “feijoada” estava com um cheirinho delicioso, eu não resisti e peguei uma única concha (se arrependimento matasse... rsrs).

Faltando menos de uma hora para a largada, retirei meu kit de participação (numeral/squeeze/camiseta) no belíssimo Parque “Leon Feffer” e com opção de estacionamento gratuito “top”.

Muitos “canelas secas” posicionados na largada, e eu no meio era o único “barrigudinho”... Foi aí que escutei uns atletas dizendo: “Tem pessoas que deveriam largar mais para trás para não atrapalhar...” Olhei para os lados, e apenas eu estava meio fora de forma, tenho quase certeza que essa indireta foi pra mim; eu nem fiquei chateado, afinal nessa reta final da faculdade parei com os treinos e engordei 5 kg, mas independente disso, de alguma forma aquelas palavras indiretas acabaram me motivando.

Quando foi dada a largada o pessoal saiu num ritmo alucinante, deixei todos irem embora, mas em pouco menos de 2 km muitos atletas já estavam esgotados, aproveitei e fui pra cima com pace de 3'30, ultrapassando uns 15 atletas e percebendoque estava entre os 5 primeiros colocados; vale salientar que "Corrida Rústica” requer muita atenção devido à irregularidade do piso, também muitas curvas dificultavam, e se já não bastassem todos esses obstáculos, o sol das 15 horas marcou presença em grande estilo... E eu ansioso pelo posto de hidratação dos 2,5 km. Após uma curva bem fechada acabei passando despercebido pelo posto, mas resolvi voltar uns 5 metros para pegar a água (o que acabou quebrando um pouco meu ritmo), mas certamente eu precisava daquela hidratação, e foi neste momento que senti o gosto da feijoada... Mas não, “passar mal ali não”; Joguei água na cabeça e continuei. A partir do 4º km os três primeiros se distanciaram, nessa prova não haveria premiação geral, sendo apenas em categorias na faixa etária; como também eu conhecia alguns dos atletas, sabendo que eram todos de categorias acima de 30 anos, e o atleta que estava na sexta colocação estava uns 30 segundos atrás de mim... Sendo assim, foi só administrar o ritmo e cruzar a linha de chegada com o tempo de 18’20’’ na quinta colocação do geral e campeão na categoria sub'30 anos.

A confraternização e premiação foi show, tive a oportunidade de rever grandes amigos. Já com o troféu na mão bora seguir viagem, pois a Gaby tinha concurso em São Paulo no Domingo, então a deixei na casa do pai (em Taboão da Serra), e fiquei apenas para o Jantar "com um delicioso combinado Japonês", cheguei em casa por volta da 00:00.

Graças a Deus mais um final de semana agitado com muitas #gordices e mais um grande resultado... Faltam apenas 2 corridas pra fechar o ano e fériasssssss.



8 de dez de 2014

Copa Paulista de Corridas de Montanha - São Bento do Sapucaí

No último sábado de novembro (29/11), aconteceu em São Bento do Sapucaí o encerramento da "Copa Paulista de Corridas de Montanha", disputada em duas modalidades: percurso longo, e curto; já para os amigos #ultra loucos, a novidade foi o "Endurance" que contava com 50 km de belíssimas montanhas.

São Bento do Sapucaí é uma cidade localizada no interior de São Paulo, e fica há poucos quilômetros do Sul de Minas. Acolhedora pelos moradores, ela abriga paisagens maravilhosas, e a natureza se tornou o grande diferencial que abrilhantou o evento...

Competição no sábado a tarde, tempo hábil para me recuperar de uma “ressaca daquelas”, pois na quinta-feira teve um bota fora na faculdade (em comemoração ao último dia de aula) e 4 anos se passaram... mas isso é assunto para um próximo post' rs.

Nessa grande aventura tive a companhia da Gaby (namorada), saímos de Praia Grande (Litoral de SP) por volta das 10h, a viagem foi bem tranquila, a estrada foi como uma "mãe" e em pouco menos de 3 horas já estávamos la. Logo no centro de São Bento do Sapucaí encontrei meu grande amigo “Nelson Kondo” que nos convidou para almoçar, o restaurante com fogão a lenha e muitas #gordices "meu Deusssss"... Respirei fundo e comi coisas leves, como saladas, arroz #meio triste mas eu sabia que correr com a barriga cheia não era viável.

No caminho para o local do evento, encontro o Ale e os amigos da Equipe Xrunner, eles já estavam com meu kit em mãos (uma tarefa a menos), assim segui para o local da largada no Bairro do Quilombo.

Expectativas e apreensão... muitos atletas fazendo cálculos visando os resultados do pódio no Ranking geral e categorias. Satisfeito com a temporada 2014 (estava em 9º do Ranking Geral e líder da Categoria), minha preocupação era apenas em manter a liderança na categoria.

Me posicionei para a largada ao lado de grandes feras do “trail run” curto e longo; às 16:00 horas o locutor abria caminho para os desafiantes subirem uma das montanhas mais altas da região... isso mesmo galera, quase 5 km de subidas insanas “sem refresco”. Consegui trotar até o 3,5km, onde percebi que apenas eu estava correndo, algo estranho?! Com as pernas cansadas resolvi andar também e me ferrei “literalmente” ... meu ritmo caiu muito em relação aos demais e fui ultrapassado por diversos atletas, mas ainda bem que foi por apenas 1,4 km. Depois veio um single track muito showww, e o ritmo voltando ao normal no pace de 4’02, do 6º km em diante só ladeira abaixooooo, no melhor estilo “taca-lhe pau” ...rs. A cada km o ritmo foi aumentando chegando a paces de 3’20. Assim, no 9º e 10º km consegui ultrapassar muitos atletas; já próximo da cidade, os moradores incentivando bastante aqueles que chegavam. Continuei num ritmo alucinante, cruzando a linha de chegada na 13ª Colocação do Geral e Vice Campeão na Categoria (terminei 10 minutos a frente do 2º Colocado no Ranking).

Pódio garantido na Etapa e a confirmação do título de Campeão do Ranking 2014. Eu e a Gaby passamos na casa do amigo Ditinho para tomarmos banho e seguirmos para o Restaurante, local da premiação do Ranking, para um delicioso jantar de massas, muitas #gordices... Agora liberado (perdi a conta de quantos pedaços de lasanha peguei..rs’ bolonhesa, brócolis, 4 queijos)... Nosso amigo “Lourival Ruas” nos presenteou com uma garrafa de vinho (veio uma taça enorme, ainda aprendo essas coisas chiques Kkkk). Confraternização entre os amigos e montanheiros, e como diria o Locutor maquininha: “festaaaa lindaaaa, festa maravilhosaaaaa”.

Estava tudo muito bom, tudo muito perfeito, mas a Gaby tinha competição no dia seguinte (Campeonato Santista) e desta forma tínhamos duas opções: dormir no Ditinho e seguir viagem às 3:00 horas da madrugada, ou ir direto do restaurante para São Paulo, parar num hotel e acordar às 6:00 horas; o que pesou na decisão foi que o amigo Naldo de Lira (Campeão Geral do Curto) precisava de carona para retornar à São Paulo, pois a esposa tinha um concurso no dia seguinte, por que não ajudar um amigo?! Pegamos o carro por volta das 23 horas, e programei o GPS para seguirmos viagem, o ponteiro acima da reserva (parada obrigatória no próximo posto), estradas escuras e o GPS mandou seguir em frente, um pouco diferente do caminho de ida mas confiei. Quase 50km e nenhuma cidade próxima, nesse momento o ponteiro entra na reserva e minha única preocupação era não ficar parado no meio da estrada... Uma placa indicava “Gonçalves/MG” 13km a frente... MINAS GERAIS, como assim??!!! meu Deussssss... estávamos perdidos de madrugada e quase sem combustível. Chegando a Gonçalves, entro na Cidade e me deparo com 2 postos fechados, perguntamos a um rapaz: “Onde encontramos um posto aberto?” Ele disse: “O mais próximo está a mais de 80km, ou vocês esperam abrir às 6:00 horas. E agora, quem poderia nos salvar? (que falta fez o Chapolin Colorado rsrs’). Dormir no carro não seria uma boa ideia, e pelas contas teríamos gasolina no máximo para retornar a São Bento, pois la teríamos onde dormir “Santo Ditinho”.

Retornamos, mas a apreensão era bem grande, orei muito “Senhor nos abençoe” e sem forçar mantive a média de 80km/h pra economizar combustível, 60km depois “graças a Deus” chegamos a São Bento do Sapucaí, mas cadê o posto aberto?! Uns disseram haver um tal de Barracão a uns 15 minutos dali, que desespero, mas seguimos em frente e depois de 5 minutos encontramos um único posto aberto, inclusive o pessoal já estava fechando as bombas, mas que alívio “Completa, por favor” ... rsrs.

Tirando a parte que rodamos quase 150km a mais, e estávamos no mesmo lugar, reprogramei o GPS e dessa vez foi tudo certo. Com atraso chegamos a São Paulo por volta das 2:30 da madrugada, e Naldo sugeriu: “é tarde para vocês procurarem um hotel, fiquem em casa.” Sem muitas opções nós aceitamos; malas na sala, e nosso amigo chamou o cunhado para pegar o colchão, adivinhem... Cadê o cunhado?! Falei: “Naldo, a gente fica no sofá mesmo”. Kkkkkk ele ficou super chateado, mas naquela situação não tinha muito que exigir. Eu e Gaby juntamos dois sofás de 2 lugares (ela pequena coube), eu fiquei com as pernas literalmente pra fora kkkkkk... fechei os olhos e logo tocou o despertador às 5:45hs ‘puts, bora levantar e seguir viagem.

Ainda paramos no “Frango Assado” para tomar café, o que nos atrasou mais um pouco, e assim chegamos no local da prova faltando apenas 15 minutos para a Largada da Gaby. Falei para ela pegar o chip que eu iria procurar lugar para estacionar. Ainda deu tempo e peguei a largada em ponto às 8:00, e como estava com roupa de corrida decidi puxar a gaby e fazer um treino ao mesmo tempo. O resultado disso foi: “Gaby quebrando seu recorde nos 10km” fechando para 56’18” ... e olha que no finalzinho foi ela quem puxou o ritmo... Parabénsssss pra ela, afinal vice campeã na categoria uhuuuuuul.

Pra finalizar com chave de ouro, paramos na feira #gordices “nada como o bom e velho pastel de feira”. Chegando em casa fui descansar #sóquenão, pois tinha que estudar para a semana de provas na faculdade.

Final de semana agitado #obrigado galera pelas visitas ao blog. Recebo muitas mensagens e apoio e carinho... é o que me motiva para escrever ainda mais e poder compartilhar um pouquinho dessas aventuras de um corredor apaixonado pelas montanhas.












3 de dez de 2014

K Series Brasil - Etapa Serra do Japi

Fala galeeera!!!

No último Sábado (22/11) foi realizado na Serra do Japi, Cabreúva-SP, o encerramento do "Circuito Internacional K21 Series Brasil”, prova que teve recorde de inscrições (600 atletas), sendo disputada em 3 categorias: a tradicional Meia Maratona (Half Maraton) 21 km para os mais experientes e também nas distâncias de 5 km e 10 km.

Considerada pela grande maioria a prova mais dura e difícil na modalidade, chegando a 1.221 metros de altitude no pico mais alto (aproximadamente no km 10), sem falar das cachoeiras e descidas insanas pelo percurso.

A estrutura da organização foi montada dentro da "Fazenda Guaxinduva", e o ponto negativo foi a fila de espera antes de entrar na Fazenda; a entrada era gratuita para os atletas inscritos, e foi cobrada uma taxa de R$ 25,00 por cada acompanhante. A retirada do kit foi rápida e tranquila.

Faltando apenas duas semanas para o término da faculdade, eu estava focado nos estudos e minha preparação para a competição ficou em segundo plano; com poucos treinos durante a semana e o corpo cansado pelo desgaste da temporada, assim fui para mais uma competição...

Grandes nomes do "Trail Run" reunidos na prova: Virgínio, Ivan Pires, Edicarlos, Jackson e Cia... Até brinquei com o amigo Jackson, ainda bem que ganhei vários troféus durante o ano... A competição contou com alto nível de competidores e apesar das adversidades, minha vontade de vencer era grande, afinal estou sempre buscando um lugarzinho no pódio (sendo no geral ou na categoria).

E la estava eu, posicionado a frente junto com os atletas de ponta, que teve sua largada às 9:15 da manhã. O pessoal dos 10 km saiu forte, e como fiz os 21 km saí mais devagar, passando o primeiro km no pace de 4’10 (por acaso meu melhor pace na prova)... daí pra frente foram só pirambeiras, subidas íngremes e descidas insanas, eu já não sabia o que era pior.

Buscando sempre trotar nas subidas e não deixar cair o ritmo, nas descidas compensar o tempo perdido. Perto do 4º km antecipei uma possível câimbra e tomei duas cápsulas de sal, assim continuei nas trilhas e estradas de terra; o posto de hidratação mais próximo foi no 8º km, ali tomei um carboidrato em gel (que veio no kit) pois pra mim seria a parte mais crítica da prova, subiríamos uma montanha com 1.221 metros de altitude, tanto que não teve como correr... andei muitooooo, meu pace chegou a 14’min. o km, as pernas estavam gritando por socorro, foi literalmente "punk". Eu havia estudado a altimetria da prova, e do 12º km até a chegada aparentava ser mais light... “Triste ilusão”, as dificuldades e variações de terreno dificultaram ainda mais a prova, o segundo posto de hidratação demorou a chegar, apenas no 14º km, onde ingeri mais duas cápsulas de sal que me ajudaram e muito contra as câimbras... Segui firme na briga pelas posições. Próximo ao 18º km havia outro posto de hidratação com Isotônico (que poderia ter vindo antes), e logo adiante veio uma decida daquelas... Caí umas três vezes, em algumas partes precisava segurar em cordas e perdi até a firmeza nas pernas (saí preto dali..rs), poucos metros a frente fui surpreendido com uma bela cachoeira, tendo que subir rio acima... Pedras e muita água deram um toque especial, cheguei até mesmo a mergulhar num trecho, foi maravilhoso presenciar aquele visual incrível. Subindo a trilha da cachoeira retornei à estrada de terra, e restando apenas 1 km para o final, avistei um atleta que aparentava ter minha idade, pensei "não vou deixar escapar esse pódio no final", fui pra cima terminando a prova num ritmo alucinante, passei por ele, que nem tentou acompanhar... Cruzei a linha de chegada com 2h37minutos, e foi meu maior tempo nessa distância devido às dificuldades do percurso.

Após uma ducha, encontrei com a Gaby (namorada) e os amigos (Marlene, Maria, Jackson, Tauana e Luiz), nós ficamos jogando conversa fora até a divulgação do resultado... Graças a Deus mais um pódio na Categoria (Vice-Campeão) e 17º na Colocação Geral.

#obrigadoGALERA